Ir para o conteúdo
Estimados clientes. Encontramos-nos encerrados de 25 de novembro a 6 de dezembro. Qualquer assunto só será tratado após esta data. Gratos pela compreensão.

Novidades Literatura portuguesa

Miguéis, José Rodrigues. Um homem sorri à morte, com meia cara: narrativa. Lisboa: Estúdios Cor, 1959

40 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

1ª edição.

"Foi para os aterrados da doença, os obcecados do fim, que eu escrevi estas páginas: para que queiram saber como se reage num leito de hospital, quando a morte ronda. E para aqueles médicos a quem interesse saber como vêem os seus doentes." JRM

 

José Rodrigues Miguéis, Lisboa, 1901 - Nova Iorque, 1980

Licenciado em Direito, em 1924, pela Universidade de Lisboa e, em 1933, em Ciências Pedagógicas pela Universidade de Bruxelas, José Rodrigues Miguéis exerceu em Portugal, nos anos 20 e 30, intensa actividade jornalística e pedagógica, colaborando designadamente em República, Alma Nova, Seara Nova, Revista de Portugal, entre outras publicações periódicas, e dirigiu com Bento de Jesus Caraça o jornal Globo, apreendido pela Censura em 1932. Apesar de aluno brilhante e dos seus reconhecidos dotes oratórios, não o atraiu a carreira forense.

A sua obra é fortemente marcada pelas preocupações de ordem ética e pedagógica que estavam associadas à formação académica, pelos ideais republicanos de influência paterna, pelo próprio envolvimento na luta política de combate à ditadura – ao lado de José Gomes Ferreira, Irene Lisboa, Jaime Cortesão, Raúl Proença, Câmara Reys, António Sérgio e outros intelectuais do chamado Grupo da Seara Nova – e por uma diversificada experiência de exílio a que se viu obrigado depois de ter sido impedido de leccionar em Portugal.

Sendo inequívoca a sua simpatia pelo ideário e pelos princípios comunistas, é contudo controversa a hipótese da sua filiação no Partido Comunista (cf. Mário Neves, José Rodrigues Miguéis: Vida e Obra, p. 84, Lisboa, 1990).

Emigrou para os Estados Unidos da América em 1935, aí trabalhando como redactor-associado das Selecções do Reader's Digest e como tradutor. A Bélgica, o Brasil e os Estados Unidos são assim, para além de Lisboa, os cenários da obra do que é considerado por António José Saraiva e Óscar Lopes como o nosso mais importante ficcionista do realismo ético (cf. História da Literatura Portuguesa). O que significa com certeza o cruzamento de tendências literárias da época com o testemunho pessoal, uma sensibilidade e um estilo inconfundíveis na apreensão da realidade de que aquelas tendências se faziam eco.

Dostoievsky e Raúl Brandão – ou Dostoievsky por via de Raúl Brandão – são referências quase evidentes e por isso mesmo recorrentemente invocadas pelos que o estudam. E são-no justamente pelo pendor analítico, psicológico da sua abordagem do universo literário e das personagens que o povoam e por essa boa capacidade mimética e simultaneamente transfiguradora no modo de os integrar humana e socialmente. Não chegando a ser caricaturas – porque quase nunca o seu tom é o do sarcasmo, antes o de uma mansa, subtil ironia a aplacar os excessos e os conflitos humanos –, dir-se-ia que é de tão profundamente vividos, de tão claros na sua humanidade que os personagens de Miguéis se tornam literários. Para o que concorrem ainda a notação realista dos ambientes e costumes que os moldam e o rigor quase positivista da história individual que só até certo ponto os determina. Só até certo ponto porque, se é certo que a sua novela de estreia, Páscoa Feliz, se mantém «na linha de sequência do realismo de oitocentos» – como observa Óscar Lopes no que será um dos estudos mais argutos sobre a obra de Miguéis, «O Pessoal e o Social na Obra de Miguéis», in Cinco Personalidades Literárias, Porto, 1961 –, a verdade também é que essa espécie de suporte estrutural do conjunto da sua obra não se desenvolve já numa lógica puramente mecanicista, mas antes se articula com o problema da responsabilidade individual e com a «intuição de um livre-arbítrio humano», à maneira de Dostoievsky (Óscar Lopes, ibidem).

Atravessa-a por outro lado o que se poderia chamar uma outra intuição, a de uma apesar de tudo transcendência dos comportamentos humanos – ao que não será estranho o enredo de mistério de muitas das suas narrativas. «Por este acabamento» da estrutura narrativa e ainda por «um bom sentido do ritmo recontador» (idem, ibidem) se demarca a obra de José Rodrigues Miguéis no quadro da nossa ficção contemporânea: denunciando sem dúvida o seu tempo histórico e artístico, entre o pendor subjectivista das teorizações literárias e artísticas da Presença e o empenho social do movimento neo-realista, mas sem consentir qualquer forma de encaixe num ou noutro. Porque tudo isto se passa em Miguéis de um modo mais sensível e implícito do que explícito, capaz de traduzir «num olhar ou num grito tudo o que ainda hoje não cabe em mais nada» (cf. Óscar Lopes, op. cit., a propósito da narrativa autobiográfica Um Homem Sorri à Morte com Meia Cara).

in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. IV, Lisboa, 1997


Scroll to Top