Ir para o conteúdo
Estimados clientes. Encontramos-nos encerrados de 25 de novembro a 6 de dezembro. Qualquer assunto só será tratado após esta data. Gratos pela compreensão.

Novidades Literatura portuguesa

Mário Botas, Spleen, Apresentação Almeida Faria, INCM, Lisboa, 1988

50 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

[16] pp.; [25] pp. de lâminas: il.; 23 cm

 

Edição em capa rija.

Mário Ferreira da Silva Botas nasceu a 23 de Dezembro de 1952, na Nazaré, terra dos seus pais e onde fez os estudos primários e secundários.

Aluno brilhante no ensino primário, terminou o secundário com altas classificações e foi dispensando do exame de admissão à faculdade de Medicina de Lisboa, onde ingressou em 1970. Licenciou-se com distinção em Julho de 1975, mas quase não chegou a exercer a medicina.

Surpreendido por uma leucemia em 1977, e sabendo-se com os dias contados, decidiu dedicar-se exclusivamente à pintura que há muito o seduzia, e o levava nas férias a conviver com pintores estrangeiros.

Essa decisão, mas também a nunca perdida esperança da cura, levou-o a Nova Iorque, onde fez em 1978 uma exposição individual, na galeria Martin Summers.

Regressado a Lisboa em 1980 entregou-se à criação, à preparação de exposições e outras actividades artísticas, e em 29 de Setembro de 1983 viria a falecer no Hospital da Cruz Vermelha.

Breve Cronologia

1971  Faz uma primeira exposição individual de 20 quadros, na Comissão Municipal de Turismo da Nazaré.

1973  Conhece Artur do Cruzeiro Seixas e faz a sua primeira exposição individual na capital, na Galeria S. Mamede, com o título Seis Contracções de Matrimónio seguidos de 18 ilustrações profundamente autobiográficos.

1975  Em 31 de Julho licencia-se em Medicina, com alta classificação, não tendo chegado nunca a exercer, embora tenha frequentado um estágio de Psiquiatria.

1977  Exposição PORTUGAL, último quartel do Século xx, na Galeria do Jornal de Noticias, no Porto e também na Galeria de Arte Moderna da Sociedade Nacional de Belas Artes.

1978 Trava conhecimento com o compositor John Cage, com quem viria a relacionar-se depois do seu regresso a Portugal. Faz uma exposição na Galeria Martin Sumers Graphics, intitulada Recent Drawings.

1979  Exposição Drawings, na Aeolian Palace Gallery, Pocopson, Penn.

1980  Regressa a Lisboa em Agosto, entregando-se intensamente à pintura, ao desenho, à ilustração e a diversas outras actividades artísticas, entre as quais a direcção da peça O Marinheiro, de Fernando Pessoa. Exposição Os Passeios do Sonhador Solitário, na Fundação Eng. António de Almeida, no Porto.

1981  Exposições Catorze desenhos de viagem e três de meter medo, no Círculo de artes Plásticas, em Coimbra e Desenhos por Mário Botas, na Galeria Ana Isabel, em Lisboa.

1982  Exposição Fernando Pessoa - Mário de Sá-Carneiro, no Centro de Estudos Pessoanos e Delegação da Secretaria de Estado da Cultura (Norte) - Casa de Ramalde, no Porto e Biblioteca Nacional, em Lisboa e posteriormente na Bibliotheque des Sciences Humaines -Vrije Universiteit Brussel, em Bruxelas.

Exposição Temas Alemães e Portugueses na Obra de Mário Botas, realizada primeiramente no Instituto Alemão - Goethe Institut, em Lisboa e posteriormente em Erlangen, na Alemanha, com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura, do Instituto Alemão de Lisboa e da Comissão Organizadora do Festival de Teatro Internacional de Erlangen.

1983  No dia 29 de Setembro é conduzido para o Hospital da Cruz Vermelha, morrendo no final do dia. Tinha 31 anos incompletos. Está sepultado no cemitério da Nazaré.

1984  De Fevereiro a Março, Primeira exposição póstuma da obra de Mário Botas, na Cooperativa Árvore, organizada por esta cooperativa e pelo Centro de Estudos Pessoanos, com o patrocínio do Ministério da Cultura e da Fundação Calouste Gulbenkian.

Em Setembro, realizando a vontade expressa pelo pintor, no seu testamento, é instituída a Fundação Casa-Museu Mário Botas, que será presidida pelo pai do pintor, até à sua morte em 1997.

De Outubro a Novembro, exposição Mário Botas (1952/1 983), na Galeria Almada Negreiros, do Ministério da Cultura.

1987  Em Março, exposição MÁRIO BOTAS en français, na Alliance Française de Lisboa.

1988  Exposição Fernando Pessoa - Mário de Sá-Carneiro, na Biblioteca Nacional, em Lisboa.

1989  Exposição Mário Botas - Spleen, primeiro em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian e posteriormente no Centre Culturel de Paris da mesma Fundação.

1998  Junho-Julho: exposição Mário Botas auto-retratos, no Centro Cultural da Nazaré.

1999  Maio-Outubro: exposição Mário Botas  Retrospectivas no Centro Cultural de Belém 


Scroll to Top