José Cardoso Pires, Cartilha do Marialva ou das negações libertinas, Ulisseia, Lisboa, 1960

Indisponível
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Rara 1.ª edição de 350 exemplares. Exemplar n.º 326, assinado pelo autor.

Capa e arranjo gráfico de Sebastião Rodrigues.

"Cartilha do Marialva é um ensaio sobre a via errada, seguida por Portugal, que optou pelo irracionalismo e pelo imobilismo, atualizados e enaltecidos pelo regime salazarista. A figura do marialva, privilegiado em nome da sua família e dos seus haveres patrimoniais, encarna a espécie de provincianismo português que o autor caracteriza em traços negros e caricaturais de modo a fustigá-lo para melhor o erradicar do país." Eunice Cabral

"(A Cartilha) Através dela surgiu uma nova figura da sociologia portuguesa: o marialva. Herdeiro de uma visão feudal do Universo e da ordem paternalista, as correcções que a evolução dos tempos lhe impôs não destruiram ainda o cerne dos seus conceitos de Autoridade, de hierarquias divinizadas, de Família e de Cultura. O Marialva defendeu e continua a defender, embora sob novas formas, a pax ruris contra a industrialização (veja-se o caso de Diogo Relvas, personagem principal de Barranco de Cegos, de Alves Redol), ao mesmo tempo que manifesta uma arreigada devoção ao passadismo e à mitologia dos heróis e dos clercs cuja recuperação final foi ensaiada pelo Integralismo Lusitano."

José Cardoso Pires, O Anjo Ancorado, 3.ª edição, com um estudo sobre o autor de Alexandre Pinheiro Torres, Lisboa, Moraes Editores, 1964, 218 p., p. 207

"A Cartilha do Marialva marca uma viragem na obra de José Cardoso Pires. Uma vez retratada a ambiência mental e reproduzidas as estruturas onde assentamos, o autor tem de aplicar esse material para que conste e se divulgue. É urgente que os seus textos sirvam de exemplo e proveito."

CRUZ, Liberto, Análise crítica e selecção de textos, 1.ª edição, Lisboa, Arcádia, 1972, p. 30

 

José Cardoso Pires

Nascido em São João do Peso, no concelho de Vila de Rei, filho de José António Neves e de sua mulher Maria Sofia Cardoso Pires, ele daí natural e ela de Cardigos, em Mação, foi muito cedo para Lisboa com pais, ele Oficial da Marinha Mercante, ela dona de casa, a irmã, Maria de Lurdes Neves Cardoso Pires (5 de Outubro de 1927) e o irmão, António Nuno Cardoso Pires Neves (13 de Junho de 1931 - 9 de Abril de 1953). Entre 1935 e 1944 frequentou o Liceu Camões, onde foi aluno de Rómulo de Carvalho e de Delfim Santos, iniciando, de seguida, uma nunca terminada licenciatura em Matemáticas Superiores, na Faculdade de Ciências.

Em 1945 alista-se na Marinha Mercante, como praticante de piloto sem curso, actividade que abandona compulsivamente, «suspeito de indisciplina e detido em viagem do navio Niassa» (c.f. auto da Capitania do Porto de Lisboa, de 02-02-1946). Tendo optado pelo jornalismo, veio a assumir a direcção das Edições Artísticas Fólio, onde Aquilino Ribeiro publicou O Retrato de Camilo. Na mesma editora a colecção Teatro de Vanguarda contribui para a revelação de obras de Samuel Beckett, William Faulkner e Vladimir Maiakovski. Em 1959 estagiou na revista Época, de Milão, com vista à publicação de um semanário que a censura impediu. Entretanto lança a revista Almanaque, cuja redacção integra Luís Sttau Monteiro, Alexandre O'Neill, Vasco Pulido Valente, Augusto Abelaira e José Cutileiro. Foi ainda cronista do Diário de Lisboa, da Gazeta Musical e de Todas as Artes e da Afinidades.

Em 1953, morre o seu irmão num acidente de aviação em cumprimento do serviço militar, quando o Harvard T6 em que treinava se incendiou em pleno voo acabando por cair e explodir. Dez anos mais tarde, Cardoso Pires dedica-lhe «in memoriam» o romance O Hóspede de Job como protesto contra a guerra fria e a colonização militares.

A 8 de Julho de 1954 casou com Maria Edite Pereira (5 de Janeiro de 1932), Enfermeira,m da qual teve duas filhas, Ana Pereira Cardoso Pires (4 de Setembro de 1956), casada e mãe de uma filha Joana (7 de Novembro de 1982) e um filho Rui (13 de Março de 1985), e Rita Pereira Cardoso Pires (22 de Novembro de 1958), solteira e sem geração.

Unanimemente considerado um dos maiores escritores portugueses do século XX, numa galeria onde podemos encontrar nomes como José Saramago ou António Lobo Antunes, a sua carreira literária está marcada pela inquietação e pela deambulação. Autor de dezoito livros, publicados entre 1949 e 1997, não se identifica com nenhum grupo, nem se fixa em nenhum género literário, apesar de ser considerado sobretudo como um romancista. A sua relação mais duradoura no campo literário deu-se com o movimento neo-realista português, até ao 25 de Abril de 1974, justificada com a oposição ao regime autoritário português. A inserção da sua obra no neo-realismo é, por essas razões, contraditória. Frequentou também os grupos surrealistas, no início da década de 1940. Foi influenciado pela estética de Hemingway, pela narrativa cinematográfica, o que resulta em discursos curtos e diálogos concisos.

O Delfim, de 1968, é geralmente considerado a sua obra-prima, em que o narrador assume uma condição de forasteiro, aparentemente descomprometido com uma realidade anacrónica. A Gafeira, aldeia inexistente, simboliza o Portugal marcelista, com um crime no centro da história. Tendo sido recebido, até 1974, como romance neo-realista, tem despertado um interesse crescente como narrativa pós-modernista. Pode efectivamente ser lido como o primeiro romance português no qual confluem as principais linguagens estéticas norteadoras do futuro pós-modernismo português devido à mistura de géneros, à polifonia, à fragmentação narrativa e à metaficção.

A 1 de Outubro de 1985 foi feito Comendador da Ordem da Liberdade e a 4 de Fevereiro de 1989 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.

Foi sepultado em 1998 no Talhão dos Artistas do Cemitério dos Prazeres, em Lisboa. No âmbito do programa que evocou o 10.º aniversário da morte de José Cardoso Pires, a Videoteca da Câmara Municipal de Lisboa produziu uma curta-metragem intitulada Fotogramas Soltos das Lisboas de Cardoso Pires, realizada por António Cunha.

Obras[editar | editar código-fonte]

• Os Caminheiros e Outros Contos (Contos), 1949

• Histórias de Amor (Contos), 1952

• O Anjo Ancorado (Novela), 1958

• Cartilha do Marialva (Ensaio), 1960

• O Render dos Heróis (Teatro), 1960

• Jogos de Azar (Contos), 1963 ; 1993

• O Hóspede de Job (Romance), 1963

• O Delfim (Romance), 1968

• Dinossauro Excelentíssimo (Sátira), 1972

• E agora, José ? (Ensaio), 1977

• O Burro em Pé (Contos), 1979

• João Janito, o burro em pé, Moraes, 1979

• Corpo-Delito na Sala de Espelhos, 1980

• Balada da Praia dos Cães (Romance), 1982

• Alexandra Alpha (Romance), 1987

• A República dos Corvos (Contos), 1988

• Cardoso Pires por Cardoso Pires (Crónicas), 1991

• A Cavalo no Diabo (Crónicas), 1994

• De Profundis, Valsa Lenta (Crónicas), 1997

• Lisboa, Livro de Bordo (Crónicas), 1997

• Lavagante, editado em 2008

• Celeste & Làlinha — Por Cima de Toda a Folha (Ilustrações de Rita Cardoso Pires), 2015


Scroll to Top