Jorge Dias, Rio de Onor, Comunitarismo agro-pastoril, Porto, 1953

120.00 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

O mais importante estudo sobre Rio de Onor, “o caso mais típico de organização comunitária em Portugal”. Profusamente ilustrado no texto e em separado com estampas impressas em papel couché.

Obra muito procurada, invulgar.

Etnólogo português, António Jorge Dias nasceu a 31 de julho de 1907, no Porto, e faleceu a 5 de fevereiro de1973, em Lisboa. Foi uma das figuras que mais contribuiu para o progresso dos estudos etnográficos, tendo sido a figura dominante da Antropologia em Portugal. Licenciou-se em Filologia Germânica na Universidade de Coimbra e doutorou-se em Etnologia na Alemanha, mais concretamente em Munique. Em 1947 criou o Centro deEstudos de Etnologia na Universidade do Porto. Foi diretor da secção de Etnografia do Centro de Estudos de Etnologia Peninsular e um dos mais importantes impulsionadores do Atlas Etnográfico de Portugal. Neste centro, e mais tarde no Centro de Estudos de Antropologia Cultural e no Museu de Etnologia do Ultramar, que ajudou a criar em 1965 e que é hoje o Museu de Etnologia de Lisboa, Jorge Dias constituiu e dinamizou umas equipa de investigadores que tiveram um papel decisivo no desenvolvimento da Etnologia emPortugal. Foi ainda professor nas faculdades de Letras de Coimbra, Porto e Lisboa e fez parte do corpo redatorial da Revista Ethnologica Europea. 

Autor eclético, sofreu influências das diversas correntes teóricas que reinavam na época tais como cultura e personalidade,  evolucionismo,  difusionismo, particularismo histórico e  estrutural-funcionalismo. Esta última, a par do difusionismo, terão sido, contudo, as perspetivas teóricas que mais marcaram o seu percurso científico. 

Durante a sua fecunda carreira científica escreveu e publicou mais de uma centena e meia de artigos e obras sobre Etnologia e Antropologia.

Obras principais de Jorge Dias: 

1948,  Os arados portugueses e as suas prováveis origens 

1948,  Vilarinho da Furna, Uma Aldeia comunitária 

1953,  Rio de Onor - Comunitarismo Agropastoril 

1964-70,  Os Macondes de Moçambique (3 vol.)


Scroll to Top