Joaquim Vieira Natividade, A região de Alcobaça, Algumas notas para o estudo da sua agricultura, população e vida rural, Lisboa, 1922

75 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Edição do autor. Relatório final de Engenheiro Agrónomo.

Joaquim Vieira Natividade (1899-1968), Engº Agrónomo e Silvicultor, distinguiu-se no campo da arboricultura e silvicultura como técnico e investigador, tendo ao longo da sua excepcional carreira publicado mais de 300 trabalhos.

Joaquim Vieira Natividade nasceu em Alcobaça em 22 de Novembro de 1899. Terceiro dos quatro filhos (dois rapazes e duas raparigas) de D. Maria Ajuda Garcez e de Manuel Vieira Natividade, Joaquim teve uma infância feliz no seio de uma família laboriosa e unida, repartindo o tempo entre os descuidados períodos das folgas e a escrupulosa obrigação dos deveres escolares imposta pelo seu pai.

Manuel Natividade, descendente de uma família de agricultores, era licenciado em farmácia, profissão para a qual não se sentia talhado mas que exerceu durante alguns anos como proprietário da Farmácia Natividade, localizada no centro de Alcobaça. Alguns anos antes de vender a farmácia, fundou uma fábrica de conservas de fruta alargando assim o património da casa agrícola que herdara dos pais. Depois da venda da farmácia, repartia o seu tempo entre a fábrica, onde contava com a ajuda de toda a família, e o estudo de arqueologia, etnografia e história do Mosteiro de Alcobaça, que era verdadeiramente a sua paixão. Relativamente aos filhos, a sua grande preocupação era incutir-lhes qualidades de trabalho para o que usava uma forte disciplina. Com o passar dos anos o amor que Manuel Natividade sempre tinha tido pela Natureza foi crescendo, sentimento que logicamente tentou vincular nos filhos. Uma das grandes preocupações de Manuel Natividade, traduziu-se na luta pela renovação pomareira da região através das mais diversas iniciativas, de onde se destacam a publicação do seu livro "As frutas de Alcobaça" e a fundação da Junta de Reconstituição dos Pomares de Alcobaça, onde foi arquivista o seu filho Joaquim. Por outro lado, Manuel Natividade estava relacionado com destacadas figuras da época, com as quais organizava serões de debate onde se discutiam os mais variados temas artísticos e científicos. De uma destas reuniões, da imaginação de Lopes Vieira e do seu entusiasmo, nasceu a ideia da realização de serões de arte no Mosteiro de Alcobaça, que vieram a constituir um acontecimento notável para a época.

Após a conclusão da instrução primária, o jovem Natividade ingressa no "Collegio - Lyceu Alcobacense", onde estuda até aos 12 anos de idade, altura em que se transfere como interno para o "Colégio Mondego" em Coimbra. Dado o seu feitio sério e disciplinado, transita para externo passando a residir na "República Fidalga e Amiga" até 1916, altura em que concluiu o liceu como aluno brilhante. Mantém com a família um estreito contacto passando todos os períodos de férias em Alcobaça. 

Em 1916 Joaquim Natividade, dividido entre seguir a carreira de medicina e o fascínio das coisas da terra, acaba por entrar para o Instituto Superior de Agronomia por decisão de seu pai. Os anos que se seguem são anos de aprendizagem tranquila, apenas marcados pelo rude golpe de perder o pai, em Fevereiro de 1918, quando frequentava o 2º ano do curso. Com excelentes resultados, conclui o curso de Engenheiro Agrónomo em 1922, após a apresentação do seu relatório de estágio "A Região de Alcobaça, Agricultura, População e Vida Rural", que preparou durante 1922 em Alcobaça, deixando como lembrança pessoal no Instituto um pequeno carvalho que plantou no pátio Central e que hoje é uma árvore imponente.

Nos anos seguintes dedica-se a estudos no ramo da Silvicultura, sobretudo no que respeita ao sector das Quercineas (carvalhos), vindo a concluir também o curso de Engenheiro Silvicultor em 1929, com a apresentação do trabalho final "O Carvalho Português nas Matas do Vimeiro". Durante este período, dá aulas entre 1925 e 1926 na "Escola Agrícola Feminina Vieira Natividade", antigo sonho de seu pai, inaugurada em 1925 em consequência da perseverança do Engº Agrónomo José Joaquim dos Santos, e faz parte da comissão organizadora do "II Congresso Nacional de Pomologia" onde ainda apresenta o trabalho "Método de Caracterização das Variedades de Peras Portuguesas ou Tidas como Tais", estruturando um método de classificação que constituiu a primeira tentativa de classificação de castas culturais de pereiras por chaves dicotómicas.

Em Fevereiro de 1930 ingressa na "Direcção-Geral dos Serviços Florestais e Aquícolas", sendo nomeado três meses depois, Director da "Estação Experimental do Sobreiro e Eucalipto" então criada e cuja sede passa a ser em Alcobaça.

Ao longo da sua carreira trabalhou por diversas vezes no estrangeiro, nomeadamente em Inglaterra e na Holanda.

Num concurso realizado em Fevereiro de 1933, foi aprovado em mérito absoluto para professor catedrático do Instituto Superior de Agronomia. Os candidatos ao lugar vago de catedrático que havia na altura eram três, tendo Natividade ficado em segundo, facto que o desgostou tremendamente e o fez isolar-se em Alcobaça. É curioso que em quarenta anos de trabalho (entre 1928 e 1968), Natividade só não publicou algum trabalho exactamente em 1933, ano do concurso.

Porém, à força da sua enorme capacidade de trabalho e inteligência, interesse pela investigação científica e conhecimento da realidade pomarícola e suberícola do país, Natividade desenvolveu e publicou cerca de 320 trabalhos (livros, artigos técnicos, lições. comunicações, relatórios, etc.), muitos deles referências para a comunidade científica e estudantil (por exemplo os livros Pomares e Subericultura), tendo-se deste modo transformado em Mestre da Arboricultura portuguesa e, assim, acompanhado com a sua obra inúmeros alunos que em tempos tinha sonhado ensinar.

Durante a sua longa e produtiva carreira, Joaquim Vieira Natividade desempenhou diversos cargos entre os quais se destacam:

— Em 1933 foi nomeado Investigador e Chefe do Departamento de Pomologia da Estação Agronómica Nacional.

— Em 1947 foi incumbido de elaborar o plano de fruticultura da Ilha de Madeira.

— Em 1950 elabora o "Plano para o Fomento e Defesa da Subericultura Mediterrânea", adoptado como plano de trabalhos pela FAO, sendo nesse mesmo ano nomeado presidente do."Grupo de Trabalho Permanente sobre a Cortiça" da FAO.

— Em 1958 é eleito pela FAO vice-presidente da "Silva Mediterranea".

— Em 1959 é nomeado responsável pelo "Empreendimento Fruticultura" do II Plano de Fomento

— Em 1962 é Fundador e Director do Centro Nacional de Estudos e de Fomento da Fruticultura. 
 
Conforme já se referiu, Natividade publicou cerca de 320 trabalhos, dos quais 165 foram sobre arboricultura e fruticultura, 113 sobre subericultura e silvicultura, versando as restantes publicações temas literários, artísticos, históricos e biográficos. Das suas publicações destacam-se:

— A sua tese de concurso para Professor Catedrático do Instituto Superior de Agronomia (Lisboa), "A Improdutividade em Pomologia - Estudo Fisiológico e Citológico".

— Estudos sobre pereira, macieira, citrinos, morangueiro, oliveira e outras espécies fruteiras.

— O tratado "Subericultura" (1950), que foi traduzido em várias línguas, sendo adoptado como manual de estudo em várias universidades estrangeiras, continuando a ser a obra de referência desta área.

- As séries publicadas nos anos 40 e 50, "Os fundamentos científicos da cultura racional do sobreiro" e "Sobreirais do Sul e Sudoeste de Espanha".

— "Em Defesa do Castanheiro. O plano de resconstituição dos soutos portugueses" (1945), e diversos outros trabalhos sobre esta espécie.

— "Madeira - Epopeia Rural", estudo agrícola, etnográfico e histórico da ilha.

— Dezenas de trabalhos de divulgação das modernas tecnologias de produção fruteira e de exploração florestal.


Foi ainda autor do filme "Flores, mundo de beleza", a que foram atribuídos vários prémios nacionais e o Diploma de Honra no 4º Concurso Internacional do Filme sobre Temas Florais (Trieste, Itália, 1963). 
 
Das muitas consagrações e distinções que lhe foram atribuídas, assinalam-se:

— Eleito "Fellow" da American Association for the Advancement of Science (1940).

— Eleito sócio correspondente da Real Academia de las Ciencias Fisicas, Exactas y de la Naturaleza de Espanha (1940).

— Eleito sócio honorário da Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa (1945).

— Grande Oficial da Ordem de Mérito Agrícola (1951).

— Sócio correspondente (1952) e efectivo(1955) da Academia das Ciências de Lisboa, Classe de Ciências.

— Eleito sócio honorário da Associação Central da Agricultura Portuguesa (1960).

— Doutor honoris causa pela Universidade de Toulouse (França, 1966).


Em 1962 é fundado o Centro Nacional de Estudos e de Fomento da Fruticultura e Natividade nomeado seu director, na sequência de uma visita a Alcobaça do então Ministro da Economia, Engº Ferreira Dias, e que culminou com um despacho para a criação do Centro ainda em 1961. Dificuldades de diversa natureza fizeram com que a construção do Centro se iniciasse apenas em 1965 e só ficasse completamente concluído e operacional em Janeiro de 1968. Natividade confessou nessa altura com emoção: "Agora sim, agora tenho finalmente condições para trabalhar".

Meses depois, a 19 de Novembro de 1968, morria em Alcobaça, Joaquim Vieira Natividade.

António Barreto

 

Bibliografia

 

NATIVIDADE, J. V., 1922, A Região de Alcobaça. Algumas Notas para o estudo da sua Agricultura, População e Vida Rural, relatório final do Curso de Engenheiro Agrónomo, edição do autor, Lisboa.

NATIVIDADE, J. V., 1927, Alcobaça, in Guia de Portugal, Vol. II, Estremadura, Alentejo e Algarve, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

NATIVIDADE, J. V., 1927, Poda de fruteiras, Marques Abreu, Porto.

NATIVIDADE, J. V., 1928, A arte em Portugal, Alcobaça, a Igreja, os Túmulos, o Mosteiro, Marques Abreu, Porto.

NATIVIDADE, J. V., 1929, O Carvalho Português nas Matas do Vimeiro, relatório de final de Curso de Engenheiro Silvicultor, edição de autor, Lisboa

NATIVIDADE, J. V., 1932, A improdutividade em Pomologia, Estudo Fisiológico e Citológico, Alcobaça.

NATIVIDADE, J. V. 1934. Determinação da idade das cortiças amadias. Publica..es da DGSFA, Vol. I – Tomo II. Lisboa.

NATIVIDADE, J. V., 1934b, Cortiças. Contribuição para o estudo do Melhoramento da Qualidade, Publicações DGSFA, Vol. I, Lisboa.

NATIVIDADE, J. V., 1937, . Investigações Citológicas nalgumas Espécies e Híbridos do género Quercus, Publicações DGSFA, Vol. IV, Lisboa.

NATIVIDADE, J. V., 1938, O que é a cortiça, Boletim Cortiça, n.º 1.

NATIVIDADE, J. V., 1939, . Programa de Trabalhos do Departamento de Estudos Pomológicos, in Planos de Trabalho da Estação Agronómica Nacional, Ministério da Agricultura.

NATIVIDADE, J. V., 1940,  A poda dos sobreiros ., Boletim Cortiça, n.º 15.

NATIVIDADE, J. V., 1941, Dez anos de estudo do sobreiro, Boletim Cortiça, n.º 36.

NATIVIDADE, J. V., 1941, . Floresta portuguesa, imagens de tempos idos, Colecção árvores e florestas de Portugal, Pública, Lisboa

NATIVIDADE, J. V., 1941B, O Repovoamento dos Montados Alentejanos e a Criação de Novos Sobreirais, Junta Nacional da Cortiça

NATIVIDADE, J.V., 1942, Agrónomo José Joaquim dos Santos 1856-1941, Revista Agronómica, Ano XXX, Lisboa

NATIVIDADE, J. V., 1943, A Contribuição das Ciências Biológicas para o Ressurgimento Florestal Português, Publicações DGSFA, Vol. X, Lisboa.

NATIVIDADE J.V., 1945, Em defesa do Castanheiro – O plano de Reconstituição dos Soutos portugueses, Boletim da Junta Nacional das Frutas, n.º III, Ano V.

NATIVIDADE J.V., 1945b, A Mulher no Fomento da Fruticultura, Boletim da Junta Nacional das Frutas, n.º X, Ano V.

NATIVIDADE, J. V., 1946, Carta escrita em Janeiro de 1946 a António Câmara, in AMARAL, M. L. D. 1969. . J. Vieira Natividade. Perfil biográfico, Boletim da Junta Nacional das Frutas, Lisboa.

NATIVIDADE J.V., 1946b, Mais sobreiros, melhor cortiça, Boletim Cortiça, n.º 96.

NATIVIDADE J.V., 1946c, Problemas suberícolas. A protecção ao solo dos sobreirais. Cortiça, Boletim Cortiça, n.º 95.

NATIVIDADE, J.V., 1947, O Regionalismo da Afonso Lopes Vieira, In-Memoriam de Afonso Lopes Vieira, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1947b, Fomento da fruticultura na Madeira, Junta Nacional das Frutas e Grémio dos Exportadores de Frutas e Produtores Hortícolas da Ilha da Madeira.

NATIVIDADE, J.V., 1948, Jornada a um mundo de beleza eterna, Tipografia Alcobacense.

NATIVIDADE, J.V., 1948b, Grandezas e mis.rias do pinheiro bravo - o Enamorado do Mar, Pinhal e Resina, n.º 3.

NATIVIDADE, J.V., 1949, Saraiva Vieira, Homenagem, Sociedade de Ciências Agronómicas de Portugal, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1949b, O sobreiral do presente e o sobreiral do futuro, Boletim Cortiça, n.º 124.

NATIVIDADE, J.V., 1950, Subericultura, DGSFA, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1952, Monserrate e o Culto da Natureza, Direcção-Geral da Fazenda Pública, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1952b, A floresta de sobro mediterrânea, Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, Classe de Ciências, Tomo VI.

NATIVIDADE, J.V., 1954, Madeira - A Epopeia Rural, Junta Geral do Distrito Autónomo do Funchal.

NATIVIDADE, J.V., 1954b, A selecção e o melhoramento genético de sobreiro em Portugal, Boletim Cortiça, Ano XVI, 192.

NATIVIDADE, J.V., 1954c, A nova floresta, Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, Classe de Ciências, Tomo VII.

NATIVIDADE, J.V., 1955, Mestre Marques Abreu, Porto, Revista Lusíada.

NATIVIDADE, J.V., 1955b, Panorama da subericultura mediterrênea, Boletim Cortiça, n.º 199.

NATIVIDADE, J.V., 1956,  L. A. Rebelo da Silva, O Homem O Cientista. O Agrónomo, Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, Classe de Ciências, Tomo VII.

NATIVIDADE, J. V., 1956b, . Carta escrita em Fevereiro de 1956 a José Pequito Rebello, in  A Questão da degradação dos solos dos nossos montados, Lavoura Portuguesa n.º 39, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1957, Subericultura ibérica – Realidades e possibilidades, Boletim Cortiça, n.º 222 e 223.

NATIVIDADE, J. V., 1957b, Da vida e da obra do professor Manuel de Sousa da Câmara, Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, Classe das Ciências, Tomo VII.

NATIVIDADE, J.V., 1957c, . Devoção suberícola. As herdades de Leitões e Montalvo do Sr. João Lopes Fernandes, Boletim Cortiça, n.º 228.

NATIVIDADE, J.V., 1958, Fomento da Subericultura, Campanha de 1957, Boletim Cortiça, n.º 235.

NATIVIDADE, J.V., 1959, A árvore e a cidade ., Diário Popular, Ano XVIII, n.º 6090, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1960, A política suberícola portuguesa através da actividade da comissão de fomento da subericultura , Boletim Cortiça, n.º 260.

NATIVIDADE, J. V., 1960b, No centenário de Manuel Vieira Natividade, in J. Vieira Natividade. Obras várias II, 1969, Comissão promotora das cerimónias comemorativas de I Aniversário da Morte do Prof. J. Vieira Natividade, Alcobaça.

NATIVIDADE, J. V., 1964, Discurso de resposta ao Elogio Histórico do Prof. Ruy Telles Palhinha, pronunciado pelo Prof. António da Sousa da Câmara na Sessão plenária e pública de 3 de Maio de 1962 , Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, Classe das Ciências, Tomo IX.

NATIVIDADE, J.V., 1964c, A nova Silvicultura Mediterrânica, Lavoura Portuguesa, n.º11.

NATIVIDADE, J. V., 1965, Carta escrita em Fevereiro de 1964 a Eduíno Borges Garcia ., in J. Vieira Natividade. Honrando a sua memória, 1969, Comissão promotora das cerimónias comemorativas de I Aniversário da Morte do Prof. J. Vieira Natividade, Alcobaça.

NATIVIDADE, J. V., 1965b, O Ressurgir da floresta. A investigação científica e a Política Florestal, conferência, SCAP, Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1967, Palavras proferidas na Homenagem no Grande Hotel da Nazaré, Lavoura Portuguesa, n.º 3 e 4.

NATIVIDADE, J. V., 1969, A Nova Floresta ., in A Propósito da Floresta, Universidade de Luanda, Luanda.

NATIVIDADE, J.V., 1969b, José Bonifácio de Andrada e Silva, o Silvicultor , in SILVA, J. E. A. Memória sobre a Necessidade e Utilidades do Plantio de Novos Bosques em Portugal, Academia das Ciências de Lisboa.

NATIVIDADE, J.V., 1970, Os fito-retardadores do crescimento e as mini-árvores em Arboricultura, Memórias da Academia das Ciências de Lisboa, Classe de Ciências, Tomo XIV.


Scroll to Top