João Pedro Grabato Dias, O morto, ode Didáctica, edição do autor, Lourenço Marques, 1971

45 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Raro.

«António Augusto Melo Lucena Quadros (1933–1994)?—?aliás João Pedro Grabato Dias, aliás Frey Ioannes Garabatus, digo António Quadros “Pintor”, “fortuito” companheiro de estrada de Mutimati Barnabé João; para além de argumentista (de «O Senhor Ventura», para José Fonseca e Costa, projecto infelizmente nunca realizado); também conhecido como artista gráfico e pedagogo, antes e depois de ser apicultor, reputado conferencista sobre a abelha africana e «descobridor» da Rosa Ramalho; tudo isto incubado no entreacto de privar com incubos e súcubos da língua como o Herberto Helder, o José Afonso, o Eduardo Luís, o José Forjaz, o Eugénio Lisboa, o Rui Knopfly, o José Craveirinha e a Amélia Muge e de escolher Moçambique para adopção, horizonte e trato?—?era uma criatura assim: mais dada ao arquipélago e ao rizoma do que à raiz, com o mistério encravado nas clavículas.» António Cabrita in: https://revistacaliban.net

 

António Augusto de Melo Lucena e Quadros (Viseu, 9 de julho de 1933 - Santiago de Besteiros, 2 de julho de 1994) foi um pintor e poeta português. Viveu em Moçambique durante vinte anos: 1964-1984.

Diplomou-se em pintura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Entre 1958 e 1959 esteve em Paris (Ecole des Beax-Arts de Paris), como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, onde fez os cursos de gravura e pintura a fresco.

Participou em diversas exposições coletivas, podendo destacar-se: I Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa, 1957); Art Portugais: Peinture et Sculpture du Naturalisme à nos Jours (Paris, 1968). Foi galardoado com o Prémio Marques de Oliveira e o Prémio Armando Basto (S.N.I.).

Parte para Moçambique em 1964. Em 1968 revela-se como poeta ao obter um prémio para "40 Sonetos de Amor e Circunstância e Uma Canção Desesperada" assinado por João Pedro Grabato Dias, negando durante vários anos ser o seu autor.

Nesse período colaborou com grupos de teatro em Lourenço Marques, como o TALM (Teatro Amador de Lourenço Marques), em que foi autor do cenário da peça "Jardim Zoológico" de Eduardo Albee, encenada e interpretada por Mário Barradas, e o TEUM (Teatro dos Estudantes da Universidade de Moçambique), sendo autor dos cenários e o guarda roupa de "O Velho da Horta" e "Quem tem Farelos?" de Gil Vicente, ambas encenadas por Matos Godinho.

Colaborou no "Núcleo de Arte" de Lourenço Marques como professor, onde contactou, entre outros, com Malangatana Valente. Ganhou o 1º Prémio no concurso da Sociedade de Estudos de Mocambique que, na cerimónia oficial não foi entregue por o Secretário Provincial de Educação ter considerado a obra indecorosa.

Em 1971 lançou as odes "O Morto" e "A Arca" e ainda as "Laurentinas". Grabato Dias e Rui Knopfli, criam nesse ano a revista Caliban.

Em 1972, por ocasião dos 400 anos da morte de Camões, lançou o poema épico "Quybyrycas", assinadas por Frey Ioannes Garabatus, com prefácio de Jorge de Sena, onde glosava e parodiava "Os Lusíadas".

Depois do 25 de Abril, inventou o livrinho "Eu, o povo", supostamente deixado por Mutimati Barnabé João, guerrilheiro moçambicano morto em combate, não assumindo inicialmente a sua autoria. Escreveu o novo livro de poemas didáctico "O Povo e nós", já de autoria de João Pedro Grabato Dias.

Publicou um livro de divulgação da biotecnologia, para aplicação nas zonas rurais moçambicanas.

Publicou o poema pseudobibliográfico "Facto/Fado", considerado pelo crítico literário Eugénio Lisboa um dos melhores livros em português.

Em Moçambique foi ainda o co-autor do monumento aos heróis, na Praça dos Heróis Moçambicanos, em Maputo.

No regresso a Portugal e a Santiago de Besteiros, em 1984, dedicou-se ao ensino, à escrita e pintura.

Publicou em 1992 "Sete Contos para um Carnaval"

Foi cantado por cantores como José Afonso e Amélia Muge.

Como pintor, actividade principal da sua criação, tem extensa e rica obra de extrema beleza, realizada em Portugal e Mocambique. Dedicou-se ainda a outras artes plásticas, como cerâmica, pintura em cerâmica, esculturas metálicas, cartazes, ilustração de livros e desenhos criados por computador.

1998 - Grã-Cruz da Ordem do Infante D.Henrique, atribuída a título póstumo pelo Presidente Jorge Sampaio, pela obra plástica e literária , particularmente pela autoria de "As Quybyrycas"

A famosa motorizada V5, da SIS Sachs, Malaposta, foi criada em1964 por seu irmão, Engº José Diogo Lucena Quadros.

Utilizou os seguintes heterónimos:

• João Pedro Grabato Dias

• Ioannes Garabatus

• Mutimati Barnabé João

 

https://revistacaliban.net/antónio-quadros-grabato-dias-o-homem-com-gatos-nos-pulmões-2547beed180f


Scroll to Top