Guilherme Lemprière, Viagens de Gibraltar a Tangere, Salé, Mogador, Santa Cruz, Tarudante, Monte Atlas e Marrocos, composto em inglês, (…) , Lisboa, 1794

Preço sob consulta
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Trasladadas em Vulgar e ilustradas com Adições e Notas do Tradutor Português: Dedicadas ao Illmo e Exmo. Senhor D. Domingos de Lima, Marquez de Niza, do Conselho de Sua Majestade Fidelíssima, Capitão de Mar e Guerra da Sua Armada Real, etc. etc. etc.. Por Manoel Henriques das Neves S. Paio. Lisboa. M. DCC. LXXXXIV. Na Oficina de Simão Thadeo Ferreira. In 8º (de 16x9,5 cm) [12], 661, [1], pp.

Ilustrado com um mapa desdobrável (25 x 30 cm) do Norte de África (com Marrocos e o Saara, as cidades de Sugulmessa e Tafilete, etc.), intitulado «Novo Correcto Mapa do Império de Marrocos» gravado por Lucius sculps. Olisip. 1795.

 Primeira e única edição em português da viagem realizada a Gibraltar e Tânger, publicada pela primeira vez em 1791 em Londres, sendo mais tarde ampliada e anotada nesta edição de Lisboa. Lemprière dá uma visão geral do país, juntamente com um relato de suas viagens a Tânger, Larache, Salé, Mogador (Essaouira), Taroudant, as Montanhas do Atlas e Marrakesh. O autor fornece informações sobre as relações dos muçulmanos com os cristãos, os judeus, as mulheres, a peregrinação a Meca e comércio com Timbuktu.

William Lemprière (1751-1834) era filho de Thomas Lemprière de Jersey, cônsul britânico na cidade de Faro, Portugal, e Mary Garnaut, de Lisboa. Juntou-se à guarnição de Gibraltar como cirurgião. Em 1789, o sultão de Marrocos escreveu ao General O’Hara solicitando um médico inglês para curar o seu filho com a promessa de uma recompensa e da libertação de dez marinheiros náufragos britânicos; Lemprière empreendeu a viagem de 600 milhas. Quando o príncipe melhorou, o sultão enviou-o em peregrinação a Meca (Capítulo X) e simplesmente ignorou pedidos de Lemprière para regressar a Gibraltar. Só após a esposa favorita do sultão ter sido envenenada foi Lemprière autorizado a sair com o pretexto de ir buscar um antídoto. Voltou a Gibraltar no início de 1790, e logo depois publicou o relato das suas aventuras.


Scroll to Top