Genoveva de Lima Mayer Ulrich, O último lampadário, Edição do autor, Lisboa, s/d [ca. 1917]

60 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Edição da autora, raro.

Filha de Carlos Mayer, um dos Vencidos da Vida, Genoveva de Lima Mayer, casada com Rui Ulrich, foi uma cosmopolita que tentou rodear-se sempre de ideias para o futuro, e deu brado como mulher do Embaixador de Portugal em Londres, nos anos 30. Assumida no pensar e decidida nas atitudes levava-as aos últimos efeitos, entre o escândalo ou a polémica, mesmo se isso implicasse exotismo ou excentricidade, em contraste com a sociedade portuguesa conservadora. Por isso, mesmo quando Lisboa mostrava sinais de estar no fim do mundo, ela compensava a realidade envolvente, não só através de um salão literário, onde amigos e artistas conviviam em verdadeiras tertúlias mensais, mas também acolhendo em casa um constante rodopio de acontecimentos mundanos, com recepções, bailes, concursos de música e conferências. Ou também através da escrita, sob o nome de Veva de Lima. Como curiosidade, foi ela quem dinamizou, entre outras iniciativas mundano-intelectuais especiais, a Venda da Flor, a favor das vítimas da 1º Grande Guerra, durante a qual, sobretudo na zona da baixa lisboeta, senhoras elegantes vendiam e colocavam flores artificiais na lapela dos casacos de homens.

 

 “(...) Se tive um grande prazer em ouvir, lido com a sua voz, o Ultimo Lampadário foi enorme também o gozo que me deu ler as paginas deslumbrantes do lindíssimo volume, que a sua generosidade amiga valorizou com uma amável dedicatória. [... ...] Gostava bem de saber dizer-lhe quanto me maravilha esta obra. Mas se me faltam faculdades de crítico, sobejam-me de admirador. Não sei applicar raciocínios, nem posso entoar hymnos. É o que venho fazer n’estas linhas. Este livro revela o seu talento original, e põe em flagrante a sua individualidade tão complexa. No sentir, no pensar, no exprimir as suas ideias, na elegância do vestir que lhe é própria, nos gestos, na forma como se móve na vida, a Veva é um ser á parte. Por isso no seu livro das suas qualidades typicas: É levemente exótico e é essencialmente esotérico. Quando digo exótico emprego esta palavra a falta de outra para dizer que lhe encontro um sabor estranho de país longinquo. E quando digo esotérico é para significar a intenção com que a Veva o destinou a uma elite apenas, desdenhando o resto do mundo. Mas esse resto do mundo ( e n’essa cathegoria me encontro eu) tambem escuta com encanto a orchestração e acha delicia no brilhantismo da forma.” 

Conde de Sabugosa Carta autógrafa dirigida à autora.


Scroll to Top