Ir para o conteúdo
Estamos abertos, a receber e a enviar encomendas. Para qualquer informação utilize o formulário de contacto ou o email: geral@livraria-trindade.pt

Novidades Literatura universal

Ferro, António, Colette, Lisboa: H. Antunes, editor, 1921.

Indisponível Avise-me quando estiver disponível
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Exemplar com assinatura de posse.

Capa de António Soares, (1894 - 1978).

56 pp.; 2 pranchas não numeradas; Il. facsimile e retrato. 16 cm.

António Ferro, Lisboa, 1895 - Lisboa, 1956

Jornalista, ficcionista, cronista, político, António Ferro foi, com apenas 20 anos, o editor da revista Orpheu. Ligado aos elementos do primeiro modernismo, António Ferro, por alguns dos textos então publicados, apresenta-se como um dos mais eloquentes e estridentes porta-vozes daquele movimento artístico.

Não tendo completado o curso de Direito, que trocou pelas letras e pelo jornalismo, o autor de Leviana teve uma existência movimentada. Esteve muito novo ainda dois anos em Angola, de que regressou em 1919 para voltar ao jornalismo: O Jornal, O Século, Diário de Lisboa e Diário de Notícias. Como jornalista sai da paróquia nacional e entrevista figuras de alto gabarito internacional: D'Annunzio, Pio XI, Mussolini, Clémenceau, Maurras, Afonso XIII, Primo de Rivera, Poincaré, etc.

Jornalista de forte personalidade e de grande vivacidade como prosador, António Ferro publica no Diário de Notícias, em 1932, as hoje célebres cinco entrevistas com Salazar, que rendido ao seu talento lhe confia, no ano seguinte, a criação do Secretariado da Propaganda Nacional. Nesse cargo, António Ferro tentará definir e impor uma «política do espírito», que buscava, por um lado, recuperar como fonte viva o folclore português e, por outro, fazer de algum modo uma pedagogia do moderno em arte.

Olhado com suspeição por quase toda a intelectualidade portuguesa de oposição e com desconfiança por uma direita que lhe temia as ousadias, António Ferro teve de abandonar, em 1950, o Secretariado Nacional da Informação (nome que passara a ter, em 1944, o Secretariado da Propaganda Nacional) pelo posto de ministro plenipotenciário em Berna. Em 1954 vai para o Quirinal, também como ministro, sendo o posto, em 1955, elevado à categoria de embaixada.

Foi casado com a poetisa Fernanda de Castro e era pai do escritor António Quadros (1923-1993), que organizou a antologia António Ferro (1963).
in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. III, Lisboa, 1994


Scroll to Top