Ir para o conteúdo
Estimados clientes. Encontramos-nos encerrados de 25 de novembro a 6 de dezembro. Qualquer assunto só será tratado após esta data. Gratos pela compreensão.

Novidades Salazar e Estado Novo

Cavalheiro, António Rodrigues. Política e história. Lisboa. Livraria San Carlos, 1960

20 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

Exemplar com assinatura de posse.

243 pp.; 22 cm.

 

António Rodrigues Cavalheiro, Lisboa, 1902 - Lisboa, 1984

Publicista, jornalista, professor e funcionário público. Licenciou-se em Ciências Histórico-Geográficas na Faculdade de Letras de Lisboa em 1928, tendo apresentado a dissertação «Gomes Freire, mau português e mau soldado». Aderiu desde muito cedo ao sector tradicionalista e nacionalista da política portuguesa, ingressando em 1919 no Integralismo Lusitano e tendo sido secretário da revista Nação Portuguesa. Em 1925 tomou parte no Movimento de 18 de Abril, tendo depois servido de testemunha de defesa no julgamento dos oficiais presos. Em 1930 vai para a Sorbonne como bolseiro da Junta de Educação Nacional, tendo-se especializado em Metodologia Histórica.

De 1932 a 1933, foi professor dos liceus de Camões e de Gil Vicente. Em 1933 ingressa nos serviços culturais da Câmara Municipal de Lisboa, onde em 1938 passa a chefiar a Biblioteca e o Arquivo Histórico Municipal. Em 1942 foi eleito deputado à Assembleia Nacional, tendo-se destacado principalmente nos debates relativos à cultura e à instrução. Em 1944 foi nomeado director dos serviços culturais da Mocidade Portuguesa, e de 1947 a 1948 exerceu interinamente o cargo de comissário do governo junto do Teatro Nacional D. Maria II.

Colaborou na Emissora Nacional e foi redactor dos jornais Ideia Nacional (1927) e Correio da Manhã (1928). Colaborou ainda em inúmeros jornais e revistas: Lusitânia, Panorama, Anais da Academia Portuguesa de História, Boletim da Associação dos Arqueólogos Portugueses, O Liberal, A Época, , Diário da Manhã, A Vitória, Novidades, Diário do Norte, O Século, O Século Ilustrado, Diário de Notícias, Diário de Lisboa, Diário Popular e Boletim da Mocidade Portuguesa.

Amigo e discípulo de António Sardinha, foi, com Hipólito Raposo, o seu testamenteiro espiritual, coordenando os seus inúmeros escritos dispersos e organizando e revendo a publicação dos seus volumes póstumos. Dirigiu também a edição das obras completas de Ramalho Ortigão. Autor de vasta obra literária, em que predominam os trabalhos históricos e se afirma um espírito de analista e de crítico, especializou-se, sobretudo, nos estudos acerca da Restauração de 1640 e do reinado de D. Carlos I.
in Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, Vol. IV, Lisboa, 1997


Scroll to Top