Ir para o conteúdo

Livros por tema Literatura portuguesa

Branquinho da Fonseca, Porta de Minerva, Portugalia, Lisboa, 1968

12 € Adicionar
Acresce o valor do transporte pelos CTT (de acordo com as tabelas em vigor para o correio registado ou não registado). Enviar email para informação de envio por correio.

António José Branquinho da Fonseca foi um dos fundadores da Presença, revista onde publicou o seu primeiro texto dramático, A posição de guerra, em 1928.

Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, Branquinho da Fonseca exerceu a profissão de Conservador do Registo Civil em Marvão, no Alentejo. Fundou e dirigiu, em 1927, juntamente com João Gaspar Simões e José Régio, a revista coimbrã Presença, que segundo alguns críticos divulgou o modernismo em Portugal – como continuadora da ação da revista Orpheu – e, para outros, seria antes uma “contrarrevolução”. Nas páginas da presença, que advogava uma literatura anti-académica orientada para a exaltação do indivíduo, da intuição e da análise psicológica, Branquinho da Fonseca publicou, no nº 16, o drama em um ato A posição de guerra (1928) e, no n.º 23, o diálogo Os dois (1929). A posição de guerra, que Luiz Francisco Rebello considerou uma das melhores peças do autor, foi posteriormente publicada em separata da mesma presença, ficando também incluída nos volumes Teatro (1973, com um prefácio de L.F. Rebello acerca do autor e das coordenadas estético-teatrais da época que teriam influenciado a escrita do autor), bem como no volume Teatro português em um acto (1900-1945), (com organização, seleção e notas ainda de L.F. Rebello, 1997), mas nunca chegou a ser levada à cena.

fonte: Instituto Camões


Scroll to Top